ALIMENTE SEU CONHECIMENTO - FÓRUM DE INFORMAÇÕES E NOTÍCIAS RELACIONADAS A ALIMENTOS E SEUS FABRICANTES


Diagnóstico de intolerância a glúten e a lactose aumenta, mas faltam alimentos seguros

Compartilhe
avatar
Borg
Admin

Mensagens : 772
Data de inscrição : 08/08/2014

Diagnóstico de intolerância a glúten e a lactose aumenta, mas faltam alimentos seguros

Mensagem por Borg em Ter Abr 19, 2016 9:55 pm

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


A indústria alimentícia e os supermercados oferecem cada vez mais alimentos sem glúten e lactose, que se somam aos dietéticos, para quem tem restrições na alimentação. Para atender os intolerantes e alérgicos, ou mesmo aquelas pessoas que adotam dietas de emagrecimento sem esses nutrientes, as opções aumentaram. Porém, os cerca de 1% da população cuja saúde depende dos alimentos especiais, ainda sofre com a falta de informação e nem sempre confia no que a indústria oferece.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

A indústria alimentícia e os supermercados oferecem cada vez mais alimentos sem glúten e lactose, que se somam aos dietéticos, para quem tem restrições na alimentação. Para atender os intolerantes e alérgicos, ou mesmo aquelas pessoas que adotam dietas de emagrecimento sem esses nutrientes, as opções aumentaram. Porém, os cerca de 1% da população cuja saúde depende dos alimentos especiais, ainda sofre com a falta de informação e nem sempre confia no que a indústria oferece.
 
Para a nutricionista e professora do Centro Universitário Franciscano Tereza Cristina Blasi, o predomínio de alimentos industrializados e ultraprocessados na rotina das pessoas pode estar colaborando para o aumento das queixas. O excesso de açúcar, gorduras, conservantes e corantes sintéticos nos lanches e bebidas prontas, além de outros maus hábitos, como o exagero em alimentos proteicos, podem estar por trás do mal-estar cada vez mais relatado com o consumo de glúten e lactose.
 
– Para acabar com tudo isso, deveríamos voltar 50 anos na nossa alimentação e voltar a comer comida de verdade. Eu incentivo os pacientes a sentirem o sabor verdadeiro dos alimentos, diversificar o cardápio e abrir mão, sim, das substâncias nocivas.

Até agora, sem opções

Quando descobriu que era intolerante ao glúten e à lactose, e que não deveria ingerir açúcar por conta da hipoglicemia, há três anos, a pedagoga Sandra Freitas tinha ainda menos opções que hoje no supermercado. Sair para comer, então, até hoje é inconcebível. Mesmo uma batata frita pode ter sido contaminada. Foi assim que ela começou a variar o cardápio na própria cozinha:
– Comecei a explorar novas receitas. Às vezes, acertava, postava na internet e muita gente queria comprar. Daí, veio a ideia de empreender na área da alimentação – afirma.

Restrições alimentares são indicadas por duas causas: intolerâncias e alergias. Veja as diferenças:

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


Refeições sempre em casa

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Desde a infância de Adriano Pereira, 26 anos, eliminar o glúten da dieta foi a solução para interromper sintomas como anemia, baixa estatura, diarreia e dor de barriga. O diagnóstico foi difícil, ele teve de passar por vários médicos e, após uma endoscopia do intestino, descobriu-se que ele não estava conseguindo absorver os nutrientes. Com a dieta, em poucas semanas, ele melhorou. Depois de quatro anos, o intestino funcionava normalmente, e um novo exame comprovou a doença celíaca.
 
– Hoje, levo uma vida normal, fazendo sempre a dieta, claro. O mais difícil é comer fora de casa, pois sempre é difícil ter certeza que um alimento originalmente sem glúten não foi contaminado com outro que tem glúten.
O investimento da indústria alimentícia em mais produtos sem glúten e a projeção que a intolerância ganhou na mídia e nas dietas facilitaram a vida de celíacos apenas em parte.

– Em outros países, como na Argentina, eles conhecem a doença celíaca. Eu estive lá no ano passado, e, quando falei numa sorveteria que sou celíaco, eles pegaram o sorvete de outro pote, com outra colher, para não contaminar – explica.

A preocupação com a contaminação cruzada é grande na empresa que Sandra Freitas, a intolerante a glúten e lactose, e a nutricionista Lucile de Seixas Ziegler abriram nos últimos dias. A Restrittus, inaugurada na última terça-feira, oferece pães, congelados como pizzas e lasanhas, salgados e doces para festas sem glúten, sem leite e sem açúcar. Na cozinha, totalmente nova, nunca entrou nada com glúten, e elas garantem que o cuidado será extremo para que intolerantes e alérgicos possam confiar nos quitutes.

Novas regras
Em março, a Anvisa publicou uma resolução de novas regras para a identificação dos alimentos com potencial alergênico. Veja abaixo:

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Intolerâncias mais comuns

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]



Fonte: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


No passado, chegamos a conversar aqui sobre um dos possíveis motivos de a população de celíacos estar aumentando... e eles vieram pra ficar. O que hoje é uma opção está lentamente virando necessidade.

É um mercado extremamente promissor... Eu e Tandra estamos montando um projeto de fabricação de cookies sem glúten e sem lactose, porém com sensorial similar ao de um produto tradicional, com a mesma maciez, textura, coloração e sabor de um cookie americano. A idéia é finalizar os testes, montar um plano de negócio e, caso não se consiga um parceiro para viabilizar a fabricação, nos preparar para montar a fábrica com recursos próprios, ao estilo formiguinha, eheheh...

    Data/hora atual: Dom Out 22, 2017 6:58 am